Conheça os tratamentos para engravidar

Antigamente, quem tentava ter filho e não conseguia, não tinha solução. O jeito era encarar a realidade. Hoje, com o avanço da medicina e dos tratamentos, em grande parte dos casos, muitos bebês são gerados satisfazendo as vontades do casal. Mesmo assim, o assunto ainda é delicado.

A infertilidade é um problema enfrentado por 8% a 15% dos casais, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que mais de 279 mil casais tenham dificuldade para gerar um filho em momento de idade fértil. E é preciso destacar que não atinge apenas o sexo feminino. Em 40% dos casos são os homens que respondem pelo diagnóstico.

O especialista em reprodução humana Doutor Arnaldo Schizzi Cambiaghi, que coordena o Instituto IPGO, em São Paulo, explica, em linhas gerais, as causas e os possíveis tratamentos para a infertilidade. Se você se identificar com alguma situação, procure um médico para te orientar melhor.

O que é Infertilidade?

A infertilidade é conceituada como sendo uma alteração do sistema reprodutor feminino ou masculino que diminui ou impede a capacidade de um casal ter filhos. A princípio um casal é considerado infértil quando após 12 a 18 meses de relações sexuais frequentes e regulares, sem nenhum tipo de contracepção, não consegue a gestação.

A chance de um casal que não tenha nenhum tipo de problema, e mantenha relações sexuais nos dias férteis, conceber por meios naturais é de 20% ao mês. Com o auxílio de técnicas de reprodução assistida, a taxa de gestação pode chegar a 50% ao mês em mulheres com menos de 35 anos.

A infertilidade, ao contrário do que se acreditava no passado, é um problema do casal e não exclusivo da mulher. Sabemos que 30% das causas são femininas e outros 30% são masculinas. Em 40% dos casos ambos os fatores estão presentes.

Apesar de teoricamente podermos esperar até 18 meses para iniciar algum tipo de tratamento, este período varia bastante, em especial de acordo com a idade da mulher e a ansiedade do casal. Não é necessário que um casal cuja mulher tenha mais de 35 ou 38 anos espere este tempo, pois nesta fase de vida em que a fertilidade diminui gradativa e progressivamente, seis meses valem muito, e por isto poderemos abreviar este período para seis a doze meses, ou menos. Após os 40 anos, três ou quatro meses já são o suficiente. Nem sempre os casais, mesmo os mais jovens com menos de trinta, aguentam a ansiedade e esperam os 18 meses.

Quais são os tipos de tratamentos?

Tratamento medicamentoso: com remédios que corrigem distúrbios hormonais que estariam prejudicando a fertilidade (hormônios).

Tratamento cirúrgico: para correção das alterações anatômicas dos órgãos reprodutores – por microcirurgia, videohisteroscopia e/ou videolaparoscopia (inclusive endometriose).

Reprodução assistida: indução da ovulação (coito programado), inseminação artificial e fertilização in vitro (ICSI).

Doação de óvulos: se a mulher não produzir óvulos.

Banco de Esperma: se o homem não produzir espermatozoides.

Embora todos estes tratamentos sejam importantes, será dada ênfase à reprodução assistida.

Quais os fatores que devem ser pesquisados?

De uma forma didática, são cinco os fatores que devem ser pesquisados e que podem atrapalhar um casal para ter filhos: fator hormonal e ovariano: problemas de hormônio ou ovulação; fator anatômico: pesquisar o útero, trompas, colo uterino e aderências; fator imunológico, fator masculino e fator endometriose.

Fonte: Organização Mundial da Saúde e Doutor Arnaldo Schizzi Cambiaghi, especialista em reprodução humana pelo Instituto IPGO.