This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

Sonhos: Origens e história

//Sonhos: Origens e história

Conheça as diversas interpretações do sonho no decorrer do tempo:

Século 8 a. C. – Os gregos, como os babilônios e os egípcios, entendiam os sonhos como poderosas mensagens divinas. Por isso, construíram o templo de Asclépio em Epidaurdo, onde os doentes dormiam e esperavam que um sonho lhe indicasse o caminho da cura.

Século 5 a.C. – O filosofo grego, Herácilito sugere que o mundo dos sonhos é individual, não sendo necessariamente resultado de influencias externas, nem mesmo divinas.

Século 3 a.C. – Aristóteles, outro filosofo grego, propõe que os sonhos são reflexos do estado do corpo e, por isso, podem ser utilizados pelos médicos para diagnosticar doenças. Essa teoria é encaminhada por Hipócrates, pai da medicina.

Século 1 a.C. – O romano Artemidoro escreve Oneirocrotion, primeiro livro sobre a interpretação dos sonhos. Nesse trabalho de cinco volumes ele argumenta que as imagens sonhadas e de seu status social.

Século IV e V – Pensadores cristãos, como santo agostino (354-430) e São Jerônimo (342-420), retornam o conceito dos sonhos como eventos sobrenaturais e premonitórios. Há passagens na bíblia que falam dos seus poderes proféticos. José pai de Jesus, também teria sido avisado em sonho a gravidez da Maria.

Século VI e VII – O profeta Maomé (570-632) dava extremo valor aos sonhos. Recebeu, inclusive, grande parte do alcorão durante um delírio noturno. Também interpretava os sonhos de seus discípulos.

Século XIII  – A igreja católica passa a associar os sonhos, especialmente os eróticos, a obras do demônio. O alemão Martinho Lutero (1483-1546), fundador do protestantismo era um dos que partilhavam dessa opinião.

Século XVIII – O filosofo alemão Johann Fichte lança a tese de que os sonhos revelam temores e desejos inconscientes.

Século XIX – O psiquiatra austríaco Sigmund Freud (1856-1939) retoma a teoria dos desejos contidos, salientando a essência erótica dos sonhos. Objetos longos e pontiagudos representariam o pênis, enquanto os ocos simbolizariam a vagina. Em 1900, publica a interpretação dos sonhos.

Século XX – Carl gustav Jung (1875-1961) não identificava a origem da maioria dos sonhos em problemas sexuais ocultos. Acreditavam que eles revelassem desejos, quaisquer que fossem. Também sugeriu a existência do “inconsciente coletivo”, parte da mente na qual estão depositadas as informações comuns a todos os humanos. Assim tentava explicar o fato de pessoas de culturas opostas relatarem sonhos com significados praticamente iguais.

Fonte: Manual do sono Ortobom.

www.ortobom.com.br

2011-10-24T09:00:27+00:00