Conheça as diversas interpretações do sonho no decorrer do tempo:

Século 8 a. C. – Os gregos, como os babilônios e os egípcios, entendiam os sonhos como poderosas mensagens divinas. Por isso, construíram o templo de Asclépio em Epidaurdo, onde os doentes dormiam e esperavam que um sonho lhe indicasse o caminho da cura.

Século 5 a.C. – O filosofo grego, Herácilito sugere que o mundo dos sonhos é individual, não sendo necessariamente resultado de influencias externas, nem mesmo divinas.

Século 3 a.C. – Aristóteles, outro filosofo grego, propõe que os sonhos são reflexos do estado do corpo e, por isso, podem ser utilizados pelos médicos para diagnosticar doenças. Essa teoria é encaminhada por Hipócrates, pai da medicina.

Século 1 a.C. – O romano Artemidoro escreve Oneirocrotion, primeiro livro sobre a interpretação dos sonhos. Nesse trabalho de cinco volumes ele argumenta que as imagens sonhadas e de seu status social.

Século IV e V – Pensadores cristãos, como santo agostino (354-430) e São Jerônimo (342-420), retornam o conceito dos sonhos como eventos sobrenaturais e premonitórios. Há passagens na bíblia que falam dos seus poderes proféticos. José pai de Jesus, também teria sido avisado em sonho a gravidez da Maria.

Século VI e VII – O profeta Maomé (570-632) dava extremo valor aos sonhos. Recebeu, inclusive, grande parte do alcorão durante um delírio noturno. Também interpretava os sonhos de seus discípulos.

Século XIII  – A igreja católica passa a associar os sonhos, especialmente os eróticos, a obras do demônio. O alemão Martinho Lutero (1483-1546), fundador do protestantismo era um dos que partilhavam dessa opinião.

Século XVIII – O filosofo alemão Johann Fichte lança a tese de que os sonhos revelam temores e desejos inconscientes.

Século XIX – O psiquiatra austríaco Sigmund Freud (1856-1939) retoma a teoria dos desejos contidos, salientando a essência erótica dos sonhos. Objetos longos e pontiagudos representariam o pênis, enquanto os ocos simbolizariam a vagina. Em 1900, publica a interpretação dos sonhos.

Século XX – Carl gustav Jung (1875-1961) não identificava a origem da maioria dos sonhos em problemas sexuais ocultos. Acreditavam que eles revelassem desejos, quaisquer que fossem. Também sugeriu a existência do “inconsciente coletivo”, parte da mente na qual estão depositadas as informações comuns a todos os humanos. Assim tentava explicar o fato de pessoas de culturas opostas relatarem sonhos com significados praticamente iguais.

Fonte: Manual do sono Ortobom.

www.ortobom.com.br