Existem mulheres guerreiras que insistem e lutam até o limite para ter um casamento, namoro ou relação estável. Mas, as vezes, em algum momento já não se pode enganar, já está tudo acabado e só resta dar um ponto final.

Para a psicóloga Marisa de Abreu, isso acontece quando acaba de vez a possibilidade de diálogo. Quando ele é substituído pela agressão. Quando não há mais empatia, ou seja, um não consegue perceber o sentimento do outro, ele pode conseguir nomear, dizer que o outro sente raiva ou solidão, mas não se comove, este sofrimento não o mobiliza. Quando um dos dois já estiver envolvido emocional e romanticamente com outra pessoa e o único sentimento que mantém pelo antigo par é de dó.

Sempre pensamos até que ponto dá para lutar e quando chega o momento de desistir. Para a especialista, enquanto um perceber que o amor do outro pode ser resgatado, mesmo que em pequenos momentos, há alguma esperança de que o dialogo volte a acontecer com intenção de reconciliação.

E para quem sempre acha que a grama do vizinho é mais verde, ela alerta: “Existem pessoas que acreditam que seus casamentos sejam perfeitos, não são, mas mesmo assim estes casamentos podem ser eternos pois a fantasia é um alimento muito mais poderoso do que a realidade. Para manter-se ao lado de alguém por toda uma vida é preciso de algo mágico, pois a realidade é bastante dura e quanto mais focamos nesta dureza menos temos vontade de continuar”.

E se você ainda acha que a sua relação pode ser salva, fique atenta às dicas de Marisa: “Novidades!  Nunca deixe cair na rotina. Não precisa de nada sensacional todos os dias, pimenta demais também enjoa, mas buscar novas conversas, novos passeios, novos interesses. Teste novas comidas, mesmo que dê errado e ninguém aprecie o novo sabor, ainda assim foi mais interessante do manter o velho conhecido. Tente novos estilos de roupa”.

Fonte: Doutora Marisa de Abreu, fundadora do site www.opsicologo.com.br