Fique atenta aos sintomas da depressão.

O assunto pode não ser tão divertido. Mas, é preciso encarar a realidade. Todo mundo passa por momentos tristes, especialmente nós mulheres que, na maioria das vezes, somos mais sensíveis (e expressivas também) do que os homens. Não se preocupe se você passa por uma fase de depressão ou conhece pessoas que estejam enfrentando o problema, é comum e tem cura, só depende da sua boa vontade em reagir e procurar um tratamento adequado.

Tristeza, desânimo, apatia (às vezes agitação), falta de alegria, alteração de apetite ou no sono, falta de desejo sexual, queda de energia até para coisas simples tipo banho, televisão ou leituras, pensamentos pessimistas, obsessivos e repetitivos, perda de memória, ataques de ansiedade, ideias fixas, olheiras, cabelos e unhas fracos e culpa são os principais sintomas de uma possível depressão. Se você conseguir identificar essas mudanças na sua rotina, então já pode dar um grande passo para voltar a ser feliz.

É o que explica o chefe de equipe de Psiquiatria do Hospital Albert Einstein em São Paulo, doutor Rubens Pitliuk. Além disso, ele detalha as principais causas que desencadeiam a doença nas mulheres: “A predisposição genética, depressões anteriores, situações difíceis, desgastantes e frustrantes, perdas de pessoas queridas, dinheiro, posição profissional, social, aposentadoria, gravidez, parto, menopausa, hipotireoidismo, tireoidite de Hashimoto, pílula anticoncepcional, implantes hormonais, DIUs hormonais, anabolizantes, anfetaminas e fórmulas para emagrecer”.

Na tabela, a seguir, você acompanha quais são os tratamentos adequados. O doutor Rubens conta que se curar sozinha pode acontecer sim, no caso da depressão ter sido causada por eventos de vida ou por hábitos, mas que se os sintomas mais fortes começarem, a força de vontade é muito importante, porém não suficiente.

TRATAMENTOS

Antidepressivos: são remédios que corrigem o metabolismo dos neurotransmissores. Eles não são calmantes e nem estimulantes, não criam dependência física e nem psíquica.

Psicoterapia: ajuda, porque a depressão afeta a pessoa como um todo e uma doença não se restringe apenas ao seu aspecto físico. Traços de personalidade assim como problemas atuais ou passados podem ter algo a ver com a depressão. Existem várias técnicas de psicoterapia e algumas são mais indicadas que outras. No tratamento da depressão a medicação tem prioridade. A psicoterapia pode esperar um pouco para começar, mas a medicação não. As pesquisas mostram que quanto mais rápido começar o tratamento medicamentoso maior é a chance de não se ter recaídas mais tarde.

Estimulação Magnética Transcraniana: consiste na aplicação de ondas eletromagnéticas no cérebro para o tratamento de diversas doenças psiquiátricas.

Fonte: Dr. Rubens Pitliuk- chefe de equipe de Psiquiatria do Hospital Albert Einstein em São Paulo e criador do site www.mentalhelp.com.br