Miguel de Cervantes, Machado de Assis, Bocage e outros grandes poetas da história se inspiraram nele para escrever poesias, contos e romances. O ciúme já foi motivo de acontecimentos marcantes da era humana e parece que está longe de chegar ao fim.

Esse lado negro do amor já foi denominado como veneno, verme, morte, sangue, febre ou outras coisas aterrorizantes e assombrou a vida de casais sendo responsável, muitas vezes, pelo fim de um grande amor.

Pesquisas já apontaram que a origem do sentimento é biológica, outros estudos levantam também questões sociais e psicológicas para justificar ataques constantes. Mas, muitos profissionais acreditam que embora exista o mito de que um pouquinho de ciúme é saudável, isso não é verdade. O psiquiatra e autor dos livros “Ciúme, o medo da perda” e “Ciúme, o lado amargo do amor” Eduardo Ferreira Santos esclarece que em nenhum grau o ciúme faz bem para a relação. “Esse é um sentimento complexo associado à dor, desconfiança, insegurança, medo, estresse, entre outras coisas ruins e pouco a pouco envenena a relação”.

Para ele, existem dois tipos de situação: uma quando há uma circunstância real, por exemplo, num evento social onde aparece uma mulher exuberante e a parceira percebe que seu namorado ou marido se sente atraído pela tal mulher. Outra é quando não existe isso, mas a mulher transforma tudo em ameaça. Então, se ele chega tarde em casa, não liga, recebe um telefonema, está com cheiro diferente… Tudo isso pode ser motivo para uma briga.

 “É normal sentir ciúme no primeiro caso, todos estão sujeitos a passar por uma situação parecida. Essa é uma ameaça natural, o problema é como você vai trabalhar com esse ciúme na sua cabeça. A mulher tem dois caminhos, conversar e se expressar de uma forma madura ou brigar, criar casos e piorar ainda mais esse momento. E no segundo exemplo é nítido que há algo de errado com a pessoa e com a relação”.

Tanto o homem quanto a mulher sentem ciúme, mas manifestam de formas diferentes. “É importante lembrar que o homem se sente ameaçado sexualmente enquanto a mulher sofre porque teme perder o lado afetivo do seu par”, explica o psiquiatra.

Ele fala também sobre os fatores que provocam o ciúme. No campo psicológico psicossocial, e biológico. No primeiro, estuda-se a origem na infância que geralmente está diretamente ligado ao sentimento de exclusão. No segundo, o fato dos riscos nas relações existirem. Todo mundo pode conhecer outras pessoas, a vida é assim. E no terceiro, os componentes estão ligados com a baixa produção de serotonina, causando depressão, ansiedade, ou seja, são mais dispostas a estarem nessa situação de autoestima baixa e insegurança. 

Se você já sabe que é uma mulher ciumenta, fique atenta:

– É necessário reconhecer se você é uma mulher ciumenta.

– Vale lembrar que uma pessoa que zela pelo parceiro está preocupada com
o bem dele e isso é diferente de uma ciumenta que é egoísta e só pensa nela própria.

– A pessoa tem de tentar trabalhar esse sentimento ruim dentro de si, ou
seja, começar a detectar o problema e sua origem e aprender a confiar em si
mesmo.

– Se a pessoa já sabe que o ciúme faz mal, mas não consegue mudar é
indicado procurar a psicoterapia. No tratamento vai descobrir coisas como o que está gerando isso? Da onde vem esse sentimento? Por que você sofre com ele? Entre outras coisas.

Por: Natália Marques.