This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

Descubra mais sobre a insônia

//Descubra mais sobre a insônia

Descubra mais sobre a insôniaOs egípcios comparavam o fato de estar deitado numa cama sem conseguir domir com um “inferno vivo”. A cada noite, milhares de homens e mulheres transitam por esse reino de silencioso sofrimento e um em cada três adultos não consegue dominar seu cansaço e obter um descanso reparador.

A insônia é o termo mais utilizado para descrever um problema relacionado com o sono, podendo ser classificada em três categorias:

Transitória: É a mais comum e geralmente manifesta-se em qualquer pessoa em momentos que antecedem um evento importante, como: uma exame, uma entrevista ou a final de um campeonato.

De curto prazo: É a insônia que persiste durante várias semanas e nasce de uma situação de estresse ou de crise, tal como a doença de um membro da família ou a perda do emprego.

De longo prazo: Denomina-se crônica e pode trazer sofrimento por meses e, às vezes, por anos.

Em todas as suas manifestações, a insônia envolve a pessoa em um círculo vicioso; ela se sente muito preocupada por não poder dormir e não dorme porque está muito preocupada.

Uma pesquisa concluída em junho na Universidade de Akita, no Japão, iluminou ainda mais a questão. Descobriram que estudantes que jogavam videogame à noite tinham níveis menores de melatonina, o hormônio que promove o sono.

No Japão, segundo um outro estudo recente, 53, 7 % dos usuários da internet passaram a dormir mais tarde e 45% deles tiveram menos horas de sono.

Sete homens jovens, com uma média de 24,7 anos foram convidados para testar a relação entre luminosidade dos jogos eletrônicos e a dificuldade de pegar no sono.

O resultado, em resumo, aponta que jogar videogame em telas brilhantes suprime as alterações noturnas da concentração de melatonina e dos indicadores do relógio biológico dos seres humanos.

O alongamento antes de dormir deveria fazer parte da rotina de todos, pois atua diretamente nos músculos, deixando-os relaxados. A sensação de desconforto e as dores provocadas pela tensão muscular dificultam o sono.

Se ainda estiver difícil pregar o olho, mesmo depois de tantas dicas, não há outra saída: saia da cama e vá fazer algo relaxante. Volte para lá apenas quando estiver sonolento, pois passar muito tempo acordado no leito, tentando dormir, não ajuda nada.

Outra atitude, digamos, “higiene do sono” é manter uma rotina regular, com horários certos para comer, tomar remédios ou praticar qualquer tipo de atividade. Métodos como a reflexologia (massagem nos pés) utilizam o toque para fazer com que o organismo volte ao seu estado natural de equilíbrio e relaxamento.

A massagem pode contribuir para afastar os distúrbios do sono, pois ajuda a amenizar o estresse.

Num estudo sobre técnicas de relaxamento e ansiedade, onde foram utilizados exercícios respiratórios da pranayama (linha indiana da ioga), percebeu-se que depois de três meses do treinamento, o grupo observado teve uma redução no nível de ansiedade de 50,7 para 38,3, de acordo com um teste específico de mensuração, o Idate.

Exercícios físicos ajudam a melhorar a qualidade do sono, mas fazemos uma advertência importante: evite essas atividades próximas ao horário de dormir. Para aqueles que não costumam praticar esportes, os treinos noturnos fortes podem causar insônia.

O exercício provoca a liberação das catecolaminas, como a noradrenalina, dopamina e adrenalina. São estimulantes que dificultam o adormecer.

Os músculos não acostumados com esforço podem chegar ao estágio de “fadiga” o que é sinônimo de dor e desconforto.

Quanto maior a temperatura corporal, menor é a produção e a liberação da melatonina, hormônio que ajuda na indução do sono.

Fonte: Manual do sono Ortobom.

www.ortobom.com.br

2011-11-07T09:00:06-03:00