Como superar o fim de um relacionamento

Muitas pessoas já vivenciaram ou já acompanharam um término de um relacionamento, e, sabem o quanto é difícil e doloroso muitas vezes para ambas as partes.

.
Os motivos são diversos mas o sentimento inicial era apenas um: o amor. Mesmo com o término, muitas pessoas ainda sofrem com o rompimento de um amor, com a falta do parceiro (a) e com o sentimento de solidão que inicia logo após um fim de um relacionamento.

.
Para auxiliar nesta fase de vida em que é tão comum entre os seres humanos, o Nós Mulheres conversou com a psicóloga Yasmin Dibs, que falou um pouco sobre como lidar com o sentimento de tristeza após o fim de um amor. Confira na íntegra:

Como superar o fim de um relacionamento

O fim de um relacionamento, como muitos já devem ter vivenciado, é um momento bastante difícil. É comum que a separação traga uma dor que vai além da emocional. Muitas pessoas relatam, nesse momento, sensações físicas como falta de ar, dores no peito, alterações no apetite, no peso, no sono, entre outras.

.

Estes sentimentos surgem pois, diante do rompimento, o indivíduo sofre um luto, reagindo à perda do objeto de amor. O luto pode ser definido por um estado de espírito penoso, em que o interesse pelo mundo externo diminui e os pensamentos costumam girar em torno deste objeto perdido.

.

Apesar de ser doloroso, o luto é um processo natural e necessário, que não deve ser visto como patológico, a menos que se estenda por um longo período. Vale salientar que sua duração varia de pessoa para pessoa (Freud, 1974; Marcondes et al, 2006).

Como superar o fim de um relacionamento

É comum que surja a sensação de confusão e de não compreensão do motivo que levou àquela situação. O fim de um relacionamento costuma acontecer quando ao menos uma das partes se depara com uma situação que, ao seu ver, não poderia ser resolvida de outra forma. Sendo assim, o término seria a única solução viável.

.
Em geral, a pessoa que foi abandonada costuma sofrer mais, tendo em vista que aquele que tomou a iniciativa para o rompimento, tem como anteparo o estímulo que o levou a agir, somado, muitas vezes, a um sentimento de renovação e alívio diante daqueles problemas que vinham lhe causando angústia. Entretanto, pode ser que mesmo aquele que tomou a iniciativa do término experimente sentimentos negativos, como culpa e tristeza.

.

Ambas as partes passam a se questionar sobre o que poderiam ter feito de outra forma, a buscar explicações para o término e a lamentar pelos bons momentos perdidos.

.
Embora o sentimento de culpa traga a necessidade de reparação e resolução das “questões pendentes” com o outro, é importante entender que nem sempre há culpados e que o fim de um relacionamento não significa fracasso.

.
Na tentativa de aplacar estes momentos, podem surgir sentimentos de raiva e ódio, numa tentativa de, ao pensar nas coisas ruins, amenizar a dor, trazendo a sensação alívio por não ter perdido nada de grande valor (Klein & Riviere, 1975).

.
É comum que os pensamentos estejam voltados ao ex-companheiro, trazendo dúvidas sobre como ele estaria se sentindo, como tem lidado com a nova situação, o que tem pensado a respeito do relacionamento etc. Após um tempo de afastamento, estes questionamentos tendem a diminuir e aos poucos, toda energia dedicada ao outro, pode ser reinvestida em si próprio.

Como superar o fim de um relacionamento

Neste momento, pode ser de grande valia voltar a realizar atividades que tragam prazer, como fazer exercícios físicos, sair com seus amigos, dedicar-se ao trabalho, enfim, encontrar formas de investir em si mesma.

.
É natural que queiramos evitar as situações de sofrimento, entretanto, querer fugir destas fases não resolverá o problema, nem aliviará a dor. Com uma passagem adequada pelo período de luto, torna-se possível reconhecer que estar solteiro pode, sim, ser positivo.

.

E você já sofreu com o fim de um relacionamento? Como você fez para superar este sentimento de tristeza? Nos conte nos comentários abaixo.

.
Fonte: Psicóloga Yasmin Daibs – CRP: 06/102878 (www.opsicologo.com.br)
Por: Jornalismo Nós Mulheres.