Quando é que o ciúme pode destruir a relação?

É muito provável que todas vocês conheçam um caso onde o ciúme excessivo foi o responsável pelo final de um relacionamento.

O mais curioso é que, segundo a psicóloga Kelen de B. Pizol, este sentimento é uma ferramenta evolutiva: “ele serve justamente como um sensor de perigo e sua função é preservar o relacionamento” revela a profissional formada pela USP (Universidade de São Paulo).

Conclusão: Se o ciúme, em doses homeopáticas, serve pra mostrar o seu amor e defendê-lo, em exagero ele pode ter – e quase sempre tem – a função inversa: afasta a pessoa amada.

Do mesmo modo, a ausência do sentimento pode prejudicar a relação a dois, deixando o parceiro com a sensação de não ser amado o suficiente.

Que o ciúme é natural e quase inato, não resta dúvida, “a diferença é o grau de ciúmes que as pessoas sentem”, coloca a psicóloga Kelen de B. Pizol. A questão é: como saber reconhecer este limite?

“Seus atos, suas amizades, seu trabalho, seus pensamentos, suas fantasias e lembranças, tudo parece ameaçar a segurança do ciumento. O ciúmes doentio faz com que sua vítima se sinta cada vez mais ressentida com a falta de confiança do companheiro” coloca a psicóloga Kelen de B. Pizol .

Quais serão os motivos que levam algumas pessoas a ter tanto ciúmes? Os mais conhecidos com certeza são a insegurança e o medo de ser abandonado. “Agora, os motivos variam muito dependendo das características das pessoas envolvidas e do tipo de relacionamento” afirma Kelen P.

A solução para ciumentos compulsivos é encontrada na maioria das vezes apenas com ajuda profissional de um psicólogo ou psicoterapeuta.

O ciúme que se torna grave é aquele que a pessoa inventa os motivos, distorce significados de conversas e vê coisas onde elas não existem. Isso por que, “quando o ciúme tem razão de ser, deve ser demonstrado sem exageros e de maneira leve” orienta a psicóloga.

Kelen Pizol aconselha que todos tentem se ajudar sozinhos em um primeiro momento, e só depois procurar ajuda profissional.

Só o fato da pessoa reconhecer que precisa rever suas atitudes já é um grande passo, significa que ela percebeu que pode estar com desvios emocionais ou problemas de auto-estima.

Mulheres muito ciumentas devem – e homens também, lógico – em primeiro lugar, procurar avaliar com clareza as situações que lhe causam ciúmes. Será que você está percebendo as coisas como elas realmente são?

Perguntar para pessoas de confiança o que acham sobre o comportamento do parceiro também pode ajudar a tornar mais clara suas avaliações. Se ainda assim sentir dificuldades em controlar os sentimentos e as atitudes, ai é o caso de procurar ajuda profissional.

Alvos de ciúme exagerado também podem ajudar seus parceiros. Uma conversa franca e aberta pode mostrar que acusações e desconfianças podem acabar sufocando e provocando decepção e tristeza.

Ao mesmo tempo é importante passar certa segurança, desta forma o ciúmes pode ser amenizado aliviando tensões para ambos.

Fonte: Psicoterapia SP.