O mundo moderno chega repleto de novidades para os seres humanos e por muitas vezes as cobranças aumentam.
.
A partir do momento que a mulher foi inserida no mercado de trabalho, a correria do dia-a-dia tornou-se então, mais uma das tarefas que a sociedade exigia ser exercida por elas com rigor de desempenho.
.
Não só no Brasil, mas também no mundo todo, diversas mulheres são consideradas e vistas como objetos de perfeição, através do desempenho familiar, profissional até mesmo refletindo na boa forma ideal.
.
Capas de revistas demonstram espelhos de perfeição que o universo feminino deve considerar como “o correto” a ser seguido, filmes demonstram casamentos perfeitos e donas de casa exemplares, já as novelas cada dia mais demonstram mulheres que não cometem erros hora alguma no serviço.
.
Ou seja, completos moldes das mulheres modernas são exibidos constantemente pelos padrões do certo e errado da sociedade.
.
Mas, por outra visão, as mulheres que recebem este tipo de pressão podem reagir de forma negativa sobre elas mesmas, quando enfrentam um erro ao invés do acerto tão esperado.
.
E é aí que pode surgir uma das doenças que mais atingem os homens e atualmente as mulheres, o alcoolismo.
.
Estudos sobre alcoolismo feminino apontam que uma em cada dez mulheres torna-se dependente do álcool. Em mulheres na faixa dos 40 anos, solteiras, desempregadas, com dificuldades financeiras ou exaustiva jornada de trabalho o índice é maior.
.
Uma das causas que leva à dependência é a cobrança da sociedade, que exige mais do papel feminino em relação a novos valores e comportamentos, além do papel de mãe e esposa.
.
As mudanças sociais ao mesmo tempo em que trazem independência e maior participação no mercado de trabalho, por outro lado acarreta uma sobrecarga.
.
O trabalho para a população feminina torna-se um grande fator de risco quando é fonte de estresse ou quando faz com que a mulher se perca em seus valores, adotando valores mais masculinos.
.
O consumo de álcool pelas mulheres se inicia na faixa dos 24 anos e, mesmo com menos tempo e quantidade de consumo comparado aos homens, observa-se uma progressão mais rápida do início da bebida.
.
Isso acontece, pois a mulher é mais suscetível aos efeitos nocivos do álcool já que sua composição corpórea apresenta menos água e maior quantidade de tecido gorduroso.
.
Conforme as consequências negativas da bebida, tanto físicas quanto emocionais, tornam-se nítidas na vida da mulher, há um interesse na busca por tratamentos ligados a ansiedade, depressão e ao sofrimento.
.
Diante de um grupo terapêutico, as mulheres têm maior facilidade de interação, na expressão de emoções e no esclarecimento de dúvidas.
.
Em nossa sociedade, ainda é visível um maior rigor e cobrança diante de atitudes e comportamentos femininos. A mesma sociedade que aceita e incentiva em propagandas o uso de álcool pela mulher.
.
Por isso é importante identificar os fatores de risco para o desenvolvimento da dependência do álcool para poder intervir de forma preventiva.

.
Fonte: Dra. Larriany Giglio – Médica psiquiatra especialista em dependência química da clínica Instituto Novo Mundo.
Por: Jornalismo Nós Mulheres.